sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O PRESÉPIO - poema 12

Ismael Nery

O PRESÉPIO
(os presentes – a estrebaria – a estrela movente)

I
O morto na paisagem está diante do sol.
Ainda há pouco, seus recentes, honestos amigos vieram de 
                                                                              [visita
Trazendo os últimos acontecimentos esportivos
E as saudações sinuosas das namoradas que tivera e que 
                                                   [ainda eram quase presentes.
E foram tão pouco, mas estavam sempre sorrindo e joviais entre 
                                                                     [os cabelos.
Recebera também a irmã e, com ela, a infância e alguns 
                                                                  [pasteizinhos
Do céu da mãe enferma cobrando visitas.
Adolescentes que passavam trouxeram excitações dos últimos 
                                                                       [filmes
E revistas de cenas indecentes, e era plena tarde.

Plena a tarde do morto diante do sol na paisagem.
Lembrara-se da eterna diva, do desejo de antes, e de como era 
                                                        [o corpo na cama.
Mas o corpo exatamente, alimentado, limpo, escanhoado, e que 
                                                                  [é vestido
De linho e caxemira para a comunhão.
E um que era pequeno, esguio e branco numa caixa de música, 
                                                            [varanda e claraboia
Que, em torno do eixo, era viva no abrir da porta.
Então quase dormiu por imitar como se encolhem as pernas, no 
                                                                       [sono.

II
Na paisagem, o morto era apenas ideia fustigada. E eterno o 
                                                              [fenômeno do sol.
Animais de pastagem passaram moles, cheios de massa.
Animais de carga passaram velhos de sacrifícios - e dignos por 
                                                   [conhecerem a chuva -, e o sol,
na paisagem acontecendo, derretia o espaço de terra e calor 
                                                              [suspenso
em que as rodas rolam gelatinosas desfazendo-se
sobre o caminho por onde todos passaram pretejando o mato,
vergando o talo daquilo que, sendo verde, precisa suster.

Nenhuma noite mais alivia a paisagem e o morto de ideias.
E o sol dá continuidade ao que, aos poucos, na paisagem se 
                                                                          [extingue.
O morto na paisagem cataloga todas as coisas últimas que o sol 
                                                                          [abate.
O leão teve toda uma página, apenas um e último leão. Entre 
                                                  [dez repetições da palavra juba.
Entre vinte repetições da palavra urro. Uma ocorrência da 
                                                                      [palavra carne.
O cão, especialíssimo, teve verbete ilustrado e, aos pés do 
                                             [morto, adormeceu na paisagem.

III
O morto na paisagem está rijo em meio-fraque, circundado de 
                                  [crescente e perfumosa mirra, aguardando
O rastilho em guipure e pérola do longo véu da última chegada.
Essa que passou e já vai longe – então liberta do cruel
Eixo imóvel de dez mil livros em brochura empilhados
(de vozes insistentes nas lombadas, tal rostos
de família suspensos num corredor que nos leva à 
                                                      [espiral da escada,
a suscitar a memória que se guarda sem ser nossa, e, 
                                                       [junto, toda a casa
pendente sobre a cabeça em fadiga e íntimo romance 
                                                                  [biográfico)
Pela pequena caixa de quarto e sala em que reinava, esguia e 
                                                                                   [branca,
A mulher dos sonhos, envolta em arminho, varanda e claraboia;
Desde sempre esgueirando o vazio deixado aos seus cuidados, 
                                                                         [silenciosa como
Algum vago, baço pensamento a mais de alguém que existe,  
                                               [sob o sol na paisagem, fustigado.
Essa lembrança que, inferno e mármore, resiste a toda história –
E segue de ossos fracos, ao cruzar a porta.



Ray Caesar - Arabesque 2009

2 comentários:

Fabrício disse...

Muito intenso esses versos, lembrou-me muito Eliot.

Parece a fotografia de uma pintura na visão desse "morto de idéias" que você comenta.


Parabéns e abraço

nydia bonetti disse...

Acabei de conhecer tua poesia no blog do Hilton Valeriano. Que bela surpresa! Estou te linkando no longitudes, ok? abraços. Nydia

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...